Adeus, Ano Velho! Feliz Ano Novo!

Chegamos a mais um final de ano… E, nesse momento, milhares de mentes pensantes estão matutando sobre o seu amanhã, como será o seu 2014… Pois é.

Acontece que não somos donos do tempo e não podemos controlá-lo; mas podemos, sim, transmitir e desejar as melhores coisas para os outros. E, pensando sobre isso, me pego a calcular quantas pessoas desejam o melhor para os outros e esquecem de se melhorar, de desejar se melhorar. Para essas, o que desejo é que consigam olhar para dentro de si mesmas e enxergare algo de bom: seja seus bonitos olhos, suas pernas bem torneadas ou sua inteligência admirável.

Há outras pessoas, porém, que não desejam só um bom 2014… Elas desejam mais. Elas anseiam mais. E, se assim como eu, você quer praticamente mudar e decidir sua vida nesse próspero e próximo ano, o que eu lhe digo é . Ou melhor: CORRA. Corra como nunca antes correu, corra como um desesperado, um apaixonado pelo seu sonho. Porque é esse seu sonho, certamente, que o impulsionará a vencer qualquer coisa em 2014… Seja um pequeno obstáculo, sejam as indesejáveis gorduras que você tanto quis queimar.

Dessa maneira, só me resta desejar que refletam sobre um ano melhor, com atitudes e pensamentos melhores que, muito provavelmente, irão transformar sua vida em algo muito melhor também. Que possamos nos divertir nessa virada de ano sem nos esquecermos do quão importante é começarmos bem o ano. Feliz 2014 & Feliz Ano Novo!

Minha mãe, minha Vida.

Hoje eu tive uma pequena discussão com a minha mãe. Não bastasse nossos desencontros de opiniões, hoje tivemos um pequeno confronto. Para começar, ela é mais velha do que eu, tem muito mais experiência do que eu na vida, e o pior(?) de tudo: preocupa-se demais comigo. O que discutimos, não vem ao caso. Mas o resultado da conversa me obrigou a escrever o post de hoje.

Mãe: companheira eterna

“Mãe, eu não quero que a senhora me leve a mal, mas discordo de algumas coisas que me diz. Eu sei que se preocupa comigo, com meu futuro. Eu sei que sente minhas dores – bem, na verdade eu não sei, porque não sou mãe ainda,  mas tento entendê-la. Eu sei que pode parecer difícil, pois quero andar com minhas pernas de verdade agora, sem agarrar sua mão. Que, aliás, vai me fazer falta o resto da Vida. Mas chegou a hora de ir. Não, eu não estou lhe desprezando ou recusando sua ajuda. Eu acho que fui abençoada por ter uma mulher forte ao meu lado e que, apesar de desconfiada, está aqui, desejando meu bem. Eu sei que tem medo que eu me aventure e quebre a cara, como tantas vezes eu já fiz, não é mesmo? Tenho certeza que não é só você que pensa assim. Mas é meu futuro. E, mãe, eu te amo muito. Embora não tenha coragem para lhe dizer, com palavras sinceras, o tamanho do meu sentimento, eu sei que um dia vou ler esse texto para você. As nossas diferenças ajudam na construção dessa ponte que cada dia fica maior entre nós – falta de tempo da minha parte porque estudo, falta de tempo da sua parte porque trabalha. Mas eu amo tudo na senhora, não mudaria nada. E nada mais justo do que eu lhe agradecer por ter me dado a Vida e ainda preocupar-se comigo de uma forma incondicional. Obrigada, Mãe! Eu não tenho mais palavras. Só deixe-me crescer, voar. Eu sei que a senhora não quer me libertar e sei que vai falar mesmo quando achar necessário. Mas me dê um passe-livre, ou outro. Eu prometo me esforçar e lhe ouvir mais.”

Mãe.

O que eu quis dizer com essa declaração?

Algumas coisas: Primeiro, valorizem a mãe de vocês. Ela lhes deu a Vida, a oportunidade de vir na Terra, seja para fazer sei lá o que. Mas lhe deu. Você vive, respira, namora, faz sexo, come, vê televisão, nada pelado, transa, ama, ri por causa dela. Tudo isso, porque ela possui um útero o qual lhe abrigou durante a gestação. Ame-a e respeite-a. Segundo, escutem-na. Eu sei, é difícil. Às vezes, parece que ela só quer pentelhar a Vida de vocês – como parece que minha mãe faz comigo – mas é uma forma de demonstrar amor e o quanto elas se importam. Ouçam. Reflitam. E, se acharem que ela está errada, reflitam de novo. Sempre há algo certo no pensamento/devaneio/sentimento de mãe. Terceiro, conversem com elas. Um dia, nós, mulheres, seremos mães, e os homens, pais. Passaremos por isso, sentiremos as dores, lutaremos com unhas e dentes pelos nossos filhos. Depois, quando sua mãe/pai estiver morrendo, não adianta lamentar-se. Saiba aproveitar o momento, o agora.

Como eu disse, eu tenho muitas diferenças com a minha, mas a cada dia que passa e converso com essa mulher de olhos negros e penetrantes – que tem suas qualidades e defeitos – percebo que posso aprender muito com ela, e com a Vida. Por isso, saibam valorizar suas mães, aprendam a amá-las, porque de uma forma ou de outra, ela os ama.

Boa Quarta-feira!
Thamires.

Vida

Refletindo sobre, percebi que existe muita, mas muita coisa para aprendermos com ela. Eu me sinto ainda um bebê, que engatinha nos degraus da Vida e anseia por conhecimento. Sim, muitas vezes eu sou impulsiva, ajo sem pensar ou refletir – afinal – estou aprendendo a lidar com a Vida ainda. Meus sentimentos, muitas vezes confusos e outras tão intensos, às vezes eu não consigo explicar. Talvez eu precise de um pouco mais de maturidade, talvez um pouco mais de infantilidade. Vamos crescendo e aprendendo alguns valores da sociedade: orgulho, dinheiro e status, principalmente status que conta muito nos dias de hoje.

Se algo aprendi com a Vida foi que, infelizmente, a dor é a melhor forma de aprendermos algo. Chega a  ser óbvio que, quem acerta hoje, quer mais e mais amanhã, esquecendo o quão importante é ser humilde. Eu não culpo a Vida. “Cada um tem o que merece.” É a famosa lei da Newton: Para toda ação, há uma reação, com a mesma intensidade e direção só que com sentido diferente. Eu concordo. Sábio Newton.

Creio que tudo que acontece na nossa Vida, uma hora saberemos o porquê de ter acontecido. Não podemos fazer algo que simplesmente não temos capacidade de fazer. Nossas atitudes, nossos anseios, nossos medos e nossos pensamentos, um dia refletirão tudo o que fizemos na Vida, se a vivemos ou fingimos vivê-la. Embora confusa do que é certo fazer para encontrar meu caminho, estou na trilha, buscando estradas antes ignoradas pela minha pouca sensibilidade. Eu sei que é estranho, sei que antes eu não pensava assim, mas eu simplesmente mudei. Querer mudar para melhor e se transformar, com certeza, é a melhor coisa que o ser humano pode querer.

Hoje estou particularmente feliz por um acontecido, e não sei, não sei mesmo qual é o futuro. Eu sei que alguns me acham louca e impulsiva, mas é necessário, as vezes, ir contra algumas coisas para encontrarmos o verdadeiro sentido da coisa. Tô feliz! Arrumei um tempo para escrever aqui, embora deveria estar estudando, trabalhando, dormindo. As vezes abrimos mãos de várias coisas por uma que, aparentemente, não vale nada e que não te renderá nada no futuro. Mas quem sabe no futuro não se arrependa pelo que não fez?

Reflitamos!
Thamires Coelho.